Com mais de 20 anos de história marcados pelo espírito do crescimento. Cada fase dessa evolução se reflete na imagem empresa. Tu sabe que o mundo está em constante transformação e nós não poderíamos fazer diferente.

Blog

Du Gaúcho / Notícias  / Lei proíbe uso dos termos couro sintético e couro ecológico

Lei proíbe uso dos termos couro sintético e couro ecológico

Comunicar que um produto é feito em “couro sintético” ou “couro ecológico” é uma tentativa de confundir o consumidor – afinal, tais produtos são fruto da indústria do petróleo e não do curtimento de peles. Mais do que isso, no Brasil, falar em “couro sintético” ou “couro ecológico” é crime. Essas expressões ferem a lei 4.888/65, que determina que apenas produtos oriundos de pele animal podem receber a denominação “couro”. Esta é a chamada Lei do Couro e é para que ela seja conhecida por indústrias, lojistas e consumidores que o Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) desenvolve um trabalho nacional para multiplicar o conhecimento sobre esta legislação. Agora, este trabalho ganhou mais uma ferramenta: o novo site da Lei do Couro, que pode ser acessado clicando aqui.

“A Lei do Couro tem como propósito, coibir o mau uso da terminologia ‘couro’, material que, além de diferenciar-se por suas características estéticas e de durabilidade, também se destaca por seu criterioso processo fabril” – José Fernando Bello

Apesar de não ser do conhecimento de todos, a Lei 4.888 vigora desde a década de 60. Assinada na época pelo Presidente da República, a lei proíbe a utilização do termo couro em produtos que não sejam obtidos exclusivamente de pele animal.

O couro ou coiro é a pele curtida de animais, utilizada como material nobre para a confecção de diversos artefatos para o uso humano e animais, tais como: sapatos, cintos, carteiras, bolsas, malas, pastas, casacos, chapéus, coleiras, selas de cavalo, entre outros.

“A cada ano a indústria de alimentos produz 8 milhões de toneladas de pele bovina no mundo. Os curtumes servem como ferramentas que mantém viva um ciclo sustentável e de aproveitamento que evita um enorme impacto no meio ambiente.” – José Fernando Bello

Inicialmente uma prática artesanal, o curtimento foi estudado, compreendido, dando vida a uma indústria moderna, que maximiza os benefícios da pele animal como um importante recurso natural. Somente no Brasil, a indústria possuí 310 curtumes promovendo mais de 42 mil empregos diretos. Só em 2014 o Brasil exportou 3 bilhões de dólares para mais de 90 países. Acrescentando o consumo interno, as cifras giram em torno de 4 bilhões de dólares.

 

(Fonte: LEI DO COURO)

Sem comentários

Publicar um comentário